Doutoramento Dr. David Ângelo

 
 

Dr. David Ângelo alcançou uma nova meta

 

por Instituto Português da Face

 
Share on Facebook
Tweet
 
A curiosidade clínica e a ânsia de poder contribuir para o aumento do património científico foram os ingredientes chave que me levaram a iniciar o meu Doutoramento em Medicina há 5 anos. Quando defini este objetivo de longa duração, sabia que seria necessário um longo caminho de esforço, dedicação e muita autodisciplina para ser bem sucedido. Não sabia, no entanto, que planear, executar e interpretar tamanha quantidade de informação seria um dos maiores desafios da minha vida! Podemos comparar um objetivo de curta duração com um sprint e um objetivo de longa duração com uma maratona. Um maratonista sabe gerir as suas energias ao longo da corrida, da mesma forma que um investigador deve, num estudo de 5 anos, interpretar e divulgar a informação que vai obtendo com cautela. Nem sempre é fácil fazê-lo quando se vive com entusiasmo cada momento.

Quando escolhi fazer da Medicina a minha profissão, sabia que teria de estudar ao longo da vida para me manter atualizado e assim prestar os melhores cuidados a quem me procurasse. Todavia, não tendo essa busca pela informação de passar obrigatoriamente por um Doutoramento, considerei que esta etapa académica fosse a oportunidade ideal para desenvolver um projeto que há muito me inquietava: queria perceber com rigor o efeito de duas técnicas cirúrgicas que uso com frequência nos meus doentes: a discectomia e a discopexia da Articulação Temporomandibular (ATM).

Após um longo percurso de persistência, o sonho tornou-se realidade e, no passado dia 25 de Maio de 2018, defendi a tese deste projeto de investigação, na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Foi o culminar de um percurso que muita aprendizagem me trouxe, bem como a honra de ver o meu trabalho reconhecido com diversas publicações científicas em meios de prestígio como a revista médica Morphologie ou a revista médica Canadiana JMIR. As conclusões finais da investigação foram publicadas com 2 artigos na revista europeia Journal of CranioMaxilofacial Surgery.

No dia da defesa da tese o nervosismo era algum, confesso. Afinal, era a última etapa de um longo percurso, de horas e horas dedicadas a este tema, que pareciam resumir-se a este momento final. Perante um prestigiado júri* de sete médicos doutorados, ilustres referências na Medicina, os meus pais, a minha noiva, amigos, colegas e a minha equipa do Instituto Português da Face – todos reunidos para assistirem a este grande momento -, sentia a grande responsabilidade e expectativa perante a minha pessoa. O alívio chegou quando um dos elementos do júri comparou a minha atitude, persistência e irreverência à tenacidade do português nobel da medicina, Egas Moniz. A prestação resultou na obtenção do grau de doutor com distinção e louvor por unanimidade. Não posso, de forma alguma, deixar de agradecer ao meu orientador, família e a todos os que me acompanharam durante este percurso.

E agora, qual será a próxima meta?
 
*Júri:

  • Senhor Professor José Augusto Melo Cristino, Professor Catedrático e Presidente do Conselho Científico da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa;
  • Senhor Professor Doutor Josep Maria Ustrell, Professor Catedrático da Universidade de Barcelona;
  • Senhor Professor Doutor Raúl Duarte, coordenador da Escola de Saúde Ribeiro Sanchez;
  • Senhor Professor Doutor José Pedro Figueiredo, Professor Auxiliar Convidado da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra;
  • Senhor Professor Doutor Jacinto Monteiro, Professor Catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e Director do Serviço de Ortopedia do Hospital de Santa Maria;
  • Senhor Professor Doutor João Eurico Professor Catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e Director do Serviço de Reumatologia do Hospital de Santa Maria;
  • Senhor Professor Francisco Salvado, Professor Auxiliar Convidado da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (orientador).
 
 
 
 

Outros artigos relacionados

 
 
 
10 Realidades sobre Disfunção Temporomandibular
 
Baseado na investigação Italiana de Estudos das Disfunções Craniomandibulares.
 
 
 
O que é afinal a Articulação Temporomandibular?
 
A articulação temporomandibular (ATM) é a mais usada no corpo humano.
 
 
 
Sociedade Europeia de Cirurgiões da ATM
 
Primeiro médico português na Sociedade Europeia de Cirurgiões da Articulação Temporomandibular.
 
 
 
 
 
 
 

Faça Já a sua Pré-marcação